Salve cabrochas e rapaziada! 

Aqui se concentra e logo partirá nosso cortejo, mas quem conduzirá a brincadeira é você! Pode clicar, rolar e explorar a vontade!

Um percurso interativo pelo acervo de registros e histórias dos inesquecíveis carnavais do Bloco Escravos da Mauá...

Bloco

00:00 / 02:39
WhatsApp Image 2022-03-09 at 22.03.07.jpeg
passaros-07.png
caimsas.gif
escravosss-32.png

Escravos
da Mauá

124.jpg
marca_88_ajuste.png
samba ventarola2-03.png
1995_Divulgacao_03.jpg
184258.jpg

ABRE ALAS PORTA-BANDEIRA! ESQUENTA MESTRE PENHA! CHEGA JUNTO CABROCHA!

nota_1.jpg

Salve Largo de
São Francisco
da Prainha!

VOCÊ POR AQUI?
QUE BOA COMPANHIA!

Ao longo de quase 30 anos de samba, amizade e política, o Bloco Escravos da Mauá desfilou pelos bairros portuários do Rio de Janeiro, deixando mensagens, imagens, lutas e histórias. Neste website, propomos uma investigação não linear do acervo de memórias digitais, afinal, não é à toa que o chamamos de cortejo: a ideia é todos partirmos do mesmo ponto, mas cada um fazer o caminho do seu jeito.


No carnaval, os cortejos do Escravos da Mauá sempre foram uma espécie de "palco" para o cantar e contar a história da região, em apresentações artísticas que, lembrando o passado fazem, ao mesmo tempo, acontecer a energia do presente. Materiais, imagens, sons, dados, obras, relatos e curiosidades fazem parte desta coleção, que será, ao longo dos anos, alimentada por novos capítulos da história do carnaval de rua carioca.

mestre penha_2010.jpg
mestre penha_2010.jpg
insta-22.png
insta-21.png
escravos-14.png

PRA QUEM PEGOU O BLOCO ANDANDO...

 

O bloco Escravos da Mauá foi fundado em 1992 por um grupo de amigos, quase todos funcionários do INT - Instituto Nacional de Tecnologia, que tem sede na Avenida Venezuela, nos arredores da Praça Mauá. Desde o seu primeiro desfile no Carnaval de 1993, fez do belo Largo de São Francisco da Prainha, na rua Sacadura Cabral, a sua sede social a céu aberto.  O bloco percorre as ruas do bairro da Saúde, nas proximidades da Praça Mauá, da Pedra do Sal e do Morro da Conceição e do Cais do Valongo. Seus sambas cantam a história dos eventos e personagens que hoje configuram região denominada por Heitor dos Prazeres de Pequena África, berço dos primeiros Ranchos e do "carnaval de rua" do Rio de Janeiro, que já foi local de moradia, trabalho e/ou encontro para grandes chorões e sambistas cariocas como Pixinguinha, João da Baiana, Sinhô e Donga.

 

O QUE PASSOU 
E O QUE VIRÁ...

Ao longo de quase 30 anos de samba, amizade e política, o Bloco Escravos da Mauá desfilou por aí, deixando marcas, mensagens e imagens. Clique nos anos da nossa linha do tempo para saber
mais sobre os eventos que marcaram essa história!